Já disseram uma vez que, no mundo corporativo, quem não fala inglês é analfabeto. Bem, essa afirmação acaba sendo radical e agressiva, mas não deixa de ter uma parcela de verdade. Segundo a Catho, falar inglês equivale a ganhar salário 56% maior – além de oferecerem melhores condições de progressão na carreira.

Segundo a revista Exame, 2/3 dos empregadores garantem que o inglês é importante. E não adianta pensar que você está a salvo trabalhando em uma empresa 100% brasileira, pois a Serasa durante 40 anos foi uma empresa 100% brasileira e, “de repente” foi vendida para a Experian – empresa irlandesa – e todos tiveram que se comunicar com a matriz e, consequentemente, falar inglês. Moral da história, quem já falava inglês se deu bem, e quem não falava, teve que se dedicar a dominar o idioma em tempo recorde.

Pensando no cenário do mundo de hoje, globalizado, vamos te ajudar com algumas dicas para ajudar escolher o melhor curso de inglês para você.

Defina seu objetivo

Primeiramente defina seu objetivo. Defina o motivo pelo qual você precisa estudar, se é para se especializar, mudar de área, para o trabalho, para fazer um MBA no exterior, para concorrer a uma vaga na matriz ou numa empresa no exterior, para fazer um mestrado ou doutorado. Enfim, os objetivos são muitos, mas lembre-se: falar inglês é sempre fundamental.

Discuta seus objetivos com seu chefe, RH e seja muito claro sobre isso ao conversar com a escola de idiomas.

Escolha a metodologia certa

A metodologia tem que ser algo que faça sentido para você. Nem todas funcionam com todos alunos e vice-versa. Negocie uma aula demo com a escola. Isso ajuda na hora de decidir se a escola é ideal para o seu perfil.

Realizar testes

É muito importante que a escola faça um teste para saber seu nível de inglês. Fique atento ao tipo de teste com qual a escola trabalha. Os realmente confiáveis são de instituições renomadas internacionalmente como Cambridge e Oxford, por exemplo. Certifique-se de que o resultado também seja dado de acordo com grades internacionais (CEFW – Common European Framework / TOEFL / IELTS ou correspondentes) de forma que faça sentido para você e para a empresa que está te contratando.

Estabeleça a duração do curso

A duração do curso é muito importante. Por conta disso, normalmente é medida em carga horária, pois a maioria das avaliações internacionais fala em termos de carga horária para concluir um nível. Lembre-se que a carga horária de estudo deve sempre incluir horas de self study.

Planeje um intercâmbio

Se você precisar de resultados consistentes em pouco tempo, considere a possibilidade de fazer um intercâmbio no exterior. Há escolas incríveis que oferecem cursos totalmente customizados.

Dedique-se aos seus estudos

E o mais importante: por melhor que seja a escola, os professores e o material didático, se você não fizer a sua parte, os resultados não se tornarão os desejados. Pense nisso, e escolha uma escola com “track record” e anos de experiencia.

E aí, gostou das dicas? Entre em contato com a gente e escolha o curso que melhor atenda você. Acesse nosso site para conhecer todos os nossos cursos personalizados!

Pronto para aprender inglês?